Propaganda

Artigos

Neuromarketing: a nova ciência do comportamento do consumidor e o futuro da inteligência de marketing – Por , Diogo Fagundes- Sócio Proprietário da UNO MOKSHA e responsável pelas áreas de Novos Negócios e Marketing.

O mercado mudou, não há duvidas disso. Essa afirmação traz outra constatação: Se as pessoas mudam, a maneira como falamos com elas também muda. Com isso, surgem novos desafios para os profissionais das áreas de marketing, comunicação e propaganda que passam a adotar novas e inovadoras formas para alcançar resultados.
Ter a capacidade de identificar, compreender e entender o comportamento do consumidor para entregar uma mensagem consistente e individualizada – além de prever seus próximos passos e desejos – é a proposta central dos estudos em Neuromarketing.

O marketing “tradicional” está assumindo uma posição comportamental na vida dos consumidores e estes estão cada vez mais exigentes. Por isso, compete aos altos executivos de Marketing uma análise de cada comportamento para chegar mais próximo do que o público almeja e entrar de vez em suas mentes.

“AS EMPRESAS QUE NÃO FOREM CAPAZES DE COMPREENDER O SER HUMANO E OS SEUS COMPORTAMENTOS, PAGARÃO MAIS CARO PELO MARKETING QUE FAZEM” DIOGO FAGUNDES

Sendo o neuromarketing um campo relativamente novo, que estuda a essência do comportamento do consumidor, congrega as disciplinas de marketing e ciências aplicada o que já é considerado por muitos a chave “mágica” para o entendimento da lógica de consumo, que tem como objetivo compreender os desejos, impulsos e motivações das pessoas.
Falando em aplicabilidade e correlação do neuromarketing e o mercado atual, elenco a seguir tacar algumas facilidades do trabalho conjunto:

CRIAÇÃO DE MARCAS MEMORÁVEIS (BRANDING): O processo de criação de uma marca única na mente dos consumidores, com o objetivo de estabelecer uma posição significativa e diferenciada no mercado. O neuromarketing fornece técnicas significativas para medir as associações de marca.

PUBLICIDADE X EFICÁCIA EM VENDAS: Muitas campanhas nos impactam de forma inconsciente, mesmo que nem sempre consigamos perceber isso. O neuromarketing explica como algumas campanhas nos deixam uma boa impressão e por que outras não. O resultado disso é óbvio: ajustar mensagens até que elas fidelizem e convertam em vendas.

EXPERIÊNCIAS DIGITAIS: As plataformas digitais fornecem, por meio de suas interações constantemente, novos desafios aos nossos cérebros, e, portanto, a ciência do cérebro se torna essencial para compreender as muitas maneiras que somos influenciados em nossas atividades diárias na internet.
INOVAÇÃO: Técnicas de neuromarketing podem medir as respostas dos consumidores para o produto e ideias de serviços, embalagem e design. Estas respostas são essencialmente automáticas, emocionais e inconscientemente feitas. Poder medir esses insights e transformar em estratégias é uma janela para fascinantes inovações.

Para concluir, acredito que faça parte do DNA do profissional de marketing, publicidade e comunicação estar antenado as mudanças sociais, culturais e tecnológicas que envolvem as pessoas e os seus comportamentos.

Os estudos em neuromarketing representam o futuro próximo de uma nova jornada de consumo. Penso que a melhor forma de prestar qualquer tipo de serviço para qualquer grupo de consumidores passa, felizmente, pelo conhecimento deles.

Neste aspecto, não tem nada mais fascinante do que poder presenciar e criar soluções nessa era exponencial de transformações.

134 visitas
Propaganda

cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail